Deixa-me Contar Antes que Esqueça

A mulher que mora no final do tempo, ali na esquina do fim do mundo, tem muitos nomes. Ela é uma espécie em vias de extinção, como os lobos que antigamente povoavam as serras. Fomos encontrando as provas da sua existência por entre relatos e canções, na boca das mulheres saudosas, das avós, mães e netas. Pedimos que nos contassem como foi, que levantassem o véu daquilo que ficou escondido nas pedras das casas, nos campos da ceifa e no caminho do rio. Entre o céu e a terra, estão as vozes que embalam os gritos de antigamente. Deixa-me cantar antes que as esqueça.

“Deixa-me cantar antes que esqueça” é um espetáculo que nasce da recolha de testemunhos e histórias na região de Viseu, nas freguesias de São João de Lourosa, Rio de Loba e Silgueiros. Para esta criação o foco foi nas histórias das mulheres poderosas de outrora, figuras frequentemente invisíveis que povoavam as aldeias e que eram a espinha dorsal das famílias. A transversalidade dos seus testemunhos que abarca a dureza do trabalho, da maternidade e da vida doméstica mas também a alegria do convívio no baile de Domingo é o registo de um Portugal recente mas já quase extinto. A par da palavra falada, surge o canto, ecos da vida feminina nos campos e nos lares. No processo de criação este cancioneiro foi trabalhado, harmonizado e reinterpretado a três vozes. Em palco, destacamos objetos como a capucha, a gambiarra, a canastra e a gamela, que carregam a simbologia do quotidiano destas mulheres. Inspirada também nas palavras de Clarissa Pinkola Estes e Paola Klug, a dramaturgia tem como objetivo iluminar as dimensões escondidas da mulher que vive no passado e é evocada por nós. Vive no presente e tem um lugar à nossa mesa. Vive no futuro e volta atrás no tempo para nos encontrar, agora. Para terminar, antes da despedida, revivemos o baile de Domingo, ritual que obriga a reencontrar os olhos e o corpo da comunidade.

Sinopse

Esta noite, Perséfone vai ter que dormir sozinha, ainda por cima num quarto que não é o dela, recheado de sombras estranhas e ruídos assustadores. Até o peluche que lhe faz companhia não é o seu. E surge na cabeça da pequena Perséfone a grande questão: “Para que serve a noite?”. Armada apenas com coragem e curiosidade, a menina heroína embarca numa viagem emocionante à descoberta dos segredos da noite.
“A noite serve… para caçar pensamentos. A noite serve… para ter saudades.
A noite serve… para contar segredos.”

Apresentações

RIO DE LOBA – 26 Setembro, 2023
SILGUEIROS – 27 Setembro, 2023
S. J. LOUROSA – 28 Setembro, 2023
VISEU – 29 Setembro, 2023
S. J. LOUROSA, TEIVAS – 1 Outubro, 2023

Ficha Artística

Cocriação e interpretação: Clara Spormann, Sofia Moura e Tânia Cardoso
Texto – a partir de testemunhos: Dennis Xavier e Sofia Moura
Arranjos musicais: Ricardo Augusto, Rodrigo Crespo e Tânia Cardoso
Fotografia: Luís Belo
Produção: No Fio da Palavra – Mochos no Telhado
Apoio: Município de Viseu – Eixo Cultura
Privacy Settings
We use cookies to enhance your experience while using our website. If you are using our Services via a browser you can restrict, block or remove cookies through your web browser settings. We also use content and scripts from third parties that may use tracking technologies. You can selectively provide your consent below to allow such third party embeds. For complete information about the cookies we use, data we collect and how we process them, please check our Privacy Policy
Youtube
Consent to display content from - Youtube
Vimeo
Consent to display content from - Vimeo
Google Maps
Consent to display content from - Google